www.somaodontologia.com.br

Estamos preparando um novo site, aguarde !!

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Higiene Bucal em pacientes que usam aparelhos ortodônticos


Por que durante o tratamento ortodôntico com aparelho fixo a higiene bucal é difícil?
A instalação do aparelho ortodôntico fixo e a presença de braquetes (peças coladas nos dentes), bandas (anéis cimentados nos dentes), fios e demais acessórios fazem com que aumentem as áreas que retêm os alimentos, provocando, assim, um maior acúmulo de placa bacteriana.


O que é placa bacteriana?
É uma película de cor branca, cinzenta ou amarelada que se adere ao dente, em volta dos braquetes, e é constituída de restos de alimentos, microrganismos, células descamadas. A falta de higiene bucal faz com que ela se torne espessa e de difícil remoção.


O tipo de alimentação interfere na higiene bucal e no bom andamento do tratamento ortodôntico?
Sim. Deve-se evitar a ingestão de alimentos açucarados e pegajosos: balas, pirulitos, chicletes, que prejudicam os dentes, aumentando o risco de contrair a doença cárie. Evitar também a ingestão de alimentos duros como a pipoca e o amendoim e frutas como a maçã e a pêra, que devem ser cortadas em pedaços, pois o impacto da mordida pode danificar o aparelho fixo.


É verdade que o aparelho ortodôntico fixo mancha os dentes?
Não. O que pode acontecer é a falta de higiene do paciente provocar um acúmulo de placa bacteriana, principalmente ao redor dos braquetes (peças coladas nos dentes). Como a placa concentra restos alimentares e microrganismos vivos, vai haver uma deterioração da superfície do esmalte, provocando manchas brancas ou marrons e, posteriormente, cáries.


Como proceder com a higiene para que, durante o tratamento ortodôntico com aparelho fixo, não ocorram cáries e a gengiva se mantenha saudável?
Os pacientes que usam aparelhos ortodônticos fixos devem ter atenção redobrada quanto à higiene, com controle constante e orientações dadas pelo ortodontista.


E em relação aos aparelhos removíveis?
Recomenda-se, além da higiene dos dentes, a do aparelho com a mesma freqüência, escovando-o diariamente com creme dental, buscando-se evitar a retenção de placa no aparelho, e o consequente sabor desagradável. Mensalmente, pode-se deixar o aparelho imerso em um anti-séptico bucal por 15 minutos. Nunca se deve ferver o aparelho.


Qual a escova dental recomendada?
A escova dental apropriada é aquela com cerdas arredondadas e macias. Existem no mercado escovas dentais próprias para a higiene do aparelho fixo, com pequenos tufos (unitufo, bitufo), com cerdas recortadas em forma de “v” para facilitar na limpeza dos braquetes e as com duas fileiras de cerdas (“sulcus”). A vida útil das escovas dentais dos pacientes ortodônticos é menor. Portanto, ela deve ser substituída sempre que necessário.


Qual o creme dental recomendado?
Os cremes dentais ou dentifrícios possuem valor cosmético (creme, ungüento) e valor terapêutico (flúor e substâncias antibacterianas). Os dentifrícios do mercado brasileiro contêm flúor em condições de inibir o desenvolvimento da cárie e tornar as camadas superficiais do esmalte mais resistentes.


Qual a técnica de escovação recomendada?
A duração da escovação é importante. Existem diferentes técnicas que devem ser ajustadas individualmente a cada paciente. A escovação horizontal (vai-e-vem) deve ser evitada: ela machuca a gengiva e provoca erosão (cavidades) nos dentes. Os movimentos com a escova no sentido da gengiva para os dentes, como se estivesse “varrendo” e, ao mesmo tempo, massageando a gengiva, ajuda a remover a placa bacteriana e a manter a gengiva saudável.


Além da escova dental, quais outros procedimentos para melhorar a higiene?
O uso do fio dental é muito importante. Deve-se lançar mão do passa fio (uma agulhinha de plástico), que ajuda a passar o fio entre os dentes. O uso de bochechos com soluções fluoretadas (fluoreto de sódio a 0,05%, 1 vez ao dia, de preferência à noite, antes de dormir) auxilia na proteção do esmalte dos dentes e inibe a aderência de placa bacteriana. Essa solução não deve ser engolida. Sempre que possível, os pacientes devem levar ao consultório suas escovas para praticar a escovação sob supervisão do ortodontista.



video

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Corpo Clínico

Dr. Rodolfo Moura Vieira
CROSP 78.869


Especialidade: Implantodontia

e-mail: rodonto@yahoo.com.br





Formação:


  • Técnico em Prótese Dentária ( Unitau ) - 1999
  • Graduado em odontologia pela Unitau/SP - 2002
  • Especialista em Implantodontia – CTA/SJC - 2006
  • Especialista em cirurgia plástica periodontal e São Mandic/Campinas 2010.
_________________________________________________
Dra. Camila Machado Balbi
CROSP: 83.126


Especialidade: Implantodontia

e-mail: camilambalbi@yahoo.com.br





Formação:
  • Técnica em Prótese Dentária - 1999
  • Graduada em Odontologia pela Universidade Mogi das Cruzes –2003
  • Especialista em Implantodontia – CTA/São José dos Campos – 2006
  • Especialista em Cirurgia Plástica Periodontal/Perimplantar – São Leopoldo Mandic – Campinas - 2010
_______________________________________________________

Dra. Camila Zendron
CROSP: 83.954

Especialidade: Ortodontia


e-mail: camilazendron@hotmail.com




Formação:


  • Graduada pela Universidade de Mogi das Cruzes – 2003
  • Curso Laboratorial Técnica de Straigth Wire – CETAO - Jul/2003 a Dez/2003
  • Curso Básico de Ortodontia-Teórico Laboratorial e Clínico – Ortodontia Preventiva e Interceptativa – Mar/2004 a Nov/2004
  • Curso prático de Ortodontia – CABRERA e BABRERA – 15 a 25 de Mar/2004
  • Centro de estudo e ensino Ortodônticos – Fazenda Arco de Canto – Profº Sebastião Interlandi- 19 a 28 de Out/2005
  • Especialista pela Universidade de Taubaté – de Janeiro de 2006 a Dezembro de 2008
    Curso Clínico Profº Messias Rodrigues – Jan/2009 a Jan/2011
_______________________________________________________

Dra. Daniela Madia de Oliveira
CROSP: 77.675


Especialidad: Odontologia Estética



e-mail: danimadia@hotmail.com


Formação:
  • Graduada em Odontologia pela Universidade Braz Cubas – 2002
  • Pós Graduação – Latu Sensu, especialização em Odontologia Estética pelo centro Universitário Senac-SP
  • Atualização e treinamento em microscopia odontológica desde 2008
  • Atualização em Odontogeriatria – APCD - 2003

____________________________________________________

Dra. Bernadete Dicieri Pereira
CROSP: 82.640

Especialidade: Periodontista


e-mail: bethdicieri@yahoo.com.br





Formação:

  • Graduada em Odontologia pela UMESP (Universidade Metodista de São Paulo)
  • Pós-graduada em Periodontia pela Unitau (Universidade de Taubaté)
  • Pós-graduada em Cirurgia Plástica Periodontal pela Universidade São Leopoldo Mandic - 2010

____________________________________________________

Dra.Fernanda Noguti do Amaral
CROSP: 78.763

Especialidade: Odontopediatria




e-mail: fenoguti@hotmail.com





Formação:

  • Graduada pela Universidade de Taubaté – 2002
  • Pós – graduação em Odontopediatria - Universidade de Taubaté – 2005
  • Estagiária na Universidade de São Paulo – USP – Trauma em dentes decíduos – 2010
_________________________________________________

Dr.Rogério Tupinambá
CROSP: 65.305

Especialidade: Ortodontia e Disfunção da ATM’s

Formação:
  • Graduado em Odontologia pela Universidade de Taubaté – 1997
  • Pós – graduado em Disfunção Dento Articular (ATM) pelo CEDDA – São José dos Campos – 2000
  • Pós – graduado em Ortodontia pela Orto-Grau – São Paulo 2002
  • Pós – graduado em Ortodontia pela Técnica de Straight Wire Simplificada pelo Profº Messias Rodrigues em Piracicaba- 2006
  • Especialista em Ortodontia pela Universidade de Taubaté-2010
_________________________________________________
Dra. Viviana Rita de Souza
CROSP: 78.955

Especialidade: Endodontia

Formação:

  • Graduada em Odontologia pela Unitau – 2002
  • Especialização em Endodontia pela APCD (São José dos Campos) - 2008

_____________________________________________________

Dra. Marília Gabriela Fernandes de Carvalho
CROSP: 93.581

Especialidade: Clínica Geral / Acupuntura




e-mail: mariliagabrielacarvalho@hotmail.com



Formação:

  • Técnica em prótese Dentária - Escola Dr. Alfredo José Balbi- UNITAU
  • Cirurgiã-Dentista – Universidade Estadual Paulista – UNESP
  • Pós-Graduação em Tratamento de Dor Orofacial pela Acupuntura – CEIMEC
  • Programa de Aperfeiçoamento Continuado em Periodontia – UNESP
  • Curso de Iniciação e Capacitação em Ortodontia – GEDEF
________________________________________________
EQUIPE SOMA:



Michelle de Paula e Silva

Formação: Administração de Empresas







  • Graduada pela Faceag - Faculdade de Ciências Econômicas e Contábeis de Guaratinguetá/SP
  • Pós-graduado em MBA em Gestão e estratégias de negócios Anhanguera Educacional -Taubaté/SP
  • Curso de gerenciamento financeiro para certificação ANBID
  • Requisitos do sistema de gestão da qualidade NBR ISO 9001/2000
  • Escrita fiscal
  • Curso de depto. pessoal, com exterior, contabilidade e técnicas comerciais
  • Curso de orientação ao crédito ás micros e pequenas empresas

_______________________________________
Auxiliares de Cirurgiões Dentistas

Ana Lúcia Custódio

Salete

Tatiane Feliciano

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Doença Periodontal X Alterações Sistemicas

A integridade da saúde periodontal além de evitar perdas dentárias, previne a manifestação e agravamento de algumas condições sitêmicas. Hoje, o enfoque da prevenção não se limita apenas à aplicação de flúor, selante, e orientação de higiene bucal. A integração Periodontia/Medicina Bucal pode favorecer a realização de diagnósticos precoces de doenças sistêmicas bem como diminuir o agravamento das mesmas:

Doenças cardíacas:
As doenças cardiovasculares afetam milhões de brasileiros e é a segunda causa de morte no país. Muitos tipos de Doenças cardiovasculares podem ser prevenidos controlando seus fatores de risco, entre eles a Doença Periodontal.

Para se ter uma idéia, 40% dos pacientes atendidos no INCOR – Instituto do Coração, com endocardite bacteriana, apresentam má higiene bucal.A literatura científica afirma que pessoas com Doença Periodontal são duas vezes mais susceptíveis a doenças cardíacas do que aquelas com gengivas saudáveis!

Pessoas portadoras de febre reumática, prolapso da válvula mitral ou sopro cardíaco, podem necessitar de antibióticoterapia prévia aos procedimentos periodontais. Isto porque durante o tratamento gengival, as bactérias causadoras de doenças periodontais podem alcançar a corrente sanguínea e colocar o paciente em risco para a endocardite bacteriana (inflamação no revestimento e válvulas cardíacas).

Nossa equipe e o cardiologista determinarão se as suas condições periodontais e cardíacas requerem algum tipo de medicamento, antes, durante e/ou após o tratamento.

Diabetes
Cerca de 6 milhões de americanos possuem diabetes diagnosticada. Entretanto, calcula-se que uns 5 milhões de americanos sejam portadores de diabetes não diagnosticada. Uma das manifestações bucais da diabetes é a doença periodontal, pois o diabético apresenta menor capacidade de defesa e reparação tecidual, ficando o indivíduo mais suscetível à periodontite. Entretanto, as infecções pioram o quadro de saúde do diabético por perturbar o controle do metabolismo da glicose.

Ou seja, a atuação do periodontista será de grande importância tanto para o diagnóstico precoce da diabetes como para a integridade da saúde geral de pacientes diabéticos portadores de doença periodontal.

Câncer
A avaliação periodontal prévia ao tratamento de câncer é de extrema importância. Durante o tratamento do câncer: cirúrgico, radioterápico ou quimioterápico, podem ocorrer manifestações bucais decorrentes destes tratamentos ou agravar doenças bucais já existentes. Em alguns casos estas manifestações são tão graves que levam à interrupção temporária do tratamento do câncer. O paciente portador de doença periodontal terá o seu quadro agravado podendo causar uma infecção sistêmica, debilitando ainda mais o estado geral de saúde do paciente.

Alterações Gástricas
A Helicobacter pilory é uma bactéria reconhecida como um agente causador da gastrite crônica, úlcera péptica gástrica e duodenal e também tem sido associada ao desenvolvimento de câncer estomacal. O contato com esta bactéria se dá principalmente através de alimentos contaminados pela mesma. Porém, existem vários estudos evidenciando que a cavidade bucal atua como um reservatório desta bactéria, favorecendo uma retroalimentação da mesma no trato gástrico. Num estudo realizado no Hospital Dental de Glascow, na Escócia, foi detectada a presença desta bactéria na placa dental de 38% dos pacientes examinados. Ou seja, pacientes portadores de gastrites causadas pelo H. pilory deveriam também ter suas gengivas examinadas e tratadas, pois esta bactéria poderá também estar presente na placa bacteriana da doença periodontal.

Partos Prematuros
Já está bem demonstrado cientificamente que infecções durante a gravidez podem causar abortos, partos prematuros e o nascimento de bebês com baixo peso. Entretanto, uma equipe de pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte, Estados Unidos, descobriu que a infecção proveniente da doença periodontal também pode prejudicar o bom desenvolvimento de uma gravidez saudável e o nascimento do bebê com peso normal e no tempo certo.

Fique Atento

Além das inflamações gengivais e doenças periodontais, existe um grande número de patologias sistêmicas que atingem as estruturas periodontais. Essas alterações gengivais devem receber atenção, pois elas poderão estar sinalizando um comprometimento sistêmico que deverá ser diagnosticado e tratado tanto pelo periodontista como pelo médico especialista da patologia sistêmica identificada

Você sabe escovar seus dentes ?

A escovação dos dentes é um hábito que devemos diariamente persistir, para uma completa higienização dos dentes, saiba que, com pouco investimento você poderá ter um excelente resultado, cuidado apenas com o impulso mercadológico das empresas que fabricam esses produtos.

Você vai precisar de escova ( cerdas macias ), fio dental e um colutório ( enxaguatório ).

Marque um horário com um dentista especialista em Técnica de Higiene Bucal, você receberá informações valiosas para você e sua família !!!

(12) 36452227

video


O que é clareamento dental a laser ?
É uma técnica,que através do uso de substâncias químicas ativadas pelo laser, remove-se manchas e pigmentações dos dentes, alojadas em sua camada interna; a dentina.

Como é feito o clareamento a laser ?
Um gel clareador à base de peróxido de hidrogênio na concentração de 35 a 40% é aplicado pelo dentista, sobre a superfície externa do dente e ativado por um tipo de laser de baixa intensidade, liberando moléculas de oxigênio e assim promovendo o clareamento.

Qual o tempo que se leva para fazer um clareameno a laser ?
De 2 a 3 sessões de clareamento a laser no máximo 1 hora.

Todos os dentes podem ser clareados a laser ?
Podem, porém em alguns casos ,por exemplo, quando o dente está muito escurecido por problemas endodônticos antigos, o resultado não é satisfatório sendo melhor indicado, outro tipo de tratamento restaurador estético;a faceta. Os dentes com coloração irregular azulada ou que apresentam listas cinza escuras, causadas pelo efeito das tetraciclinas, são mais difíceis de serem clareados. Porém nos dentes com coloração uniforme amarelada, amarronzada clara ou escura o resultado do clareamento é excelente.

Para fazer um clareamento é necessária a anestesia ?
Não,é um processo indolor.

Há necessidade de algum cuidado quando é feito o clareamento a laser ?
Sim, antes da colocação do gel,é aplicado na gengiva que contorna os dentes,um protetor gengival, ativado por luz alogênia, porque o produto clareador é lesivo à gengiva.

Há necessidade de algum cuidado após o clareamento a laser ?
Sim,é necessário se evitar alimentos com corantes ou de cores fortes, porque o processo de oxigenação promove desmineralização do esmalte; ele fica poroso por 24 horas, apresentando-se como uma esponja, propenso a absorver pigmentos de alimentos e do cigarro.

Restaurações e próteses podem ser clareadas a laser ?
Não, o produto clareador só clareia dentes; próteses e restaurações devem ser trocadas para melhorar a estética.

Dentes implantados podem ser clareados a laser ?
Sobre os implantes, são colocadas próteses; portanto não podem ser clareadas.

Os dentes clareados podem escurecer de novo ?
Sim, em torno de um ano e meio a dois anos após o tratamento,geralmente os dentes escurecem um pouco, porém sem voltar ao seu tom original, sendo necessário fazer uma sessão clareadora de manutenção.

Em quais situações /condições não são recomendados o clareamento a laser ?
Em casos de má formação dentária( esmalte; amelogênese imperfeita ou dentina; dentinogênese imperfeita); de dentes manchados de forma irregular ou em dentes muito escurecidos pós tratamento endodôntico, o resultado do clareamento não será satisfatório, sendo indicado outro tipo de tratamento estético.

Há desgaste do dente quando é feito o clareamento a laser ?
Não, o gel é aplicado sobre o esmalte, nenhum desgaste é realizado para este tipo de procedimento.

O clareamento a laser pode enfraquecer os dentes ?
Não, a estrutura dentária é preservada.

Quais as vantagens do clareamento a laser sobre o clareamento caseiro ?
Tempo menor de tratamento. Realizado em consultório ,de 2 a 3 sessões de no máximo 1 hora cada uma.
A rapidez do resultado é evidente; ao término de cada sessão já se observa os dentes mais claros. Traz comodidade,por não haver necessidade de um tratamento longo utilizando-se moldeiras, ocasionando possível inflamação gengival, sensibilidade dentária e sendo necessária a longa privação de alimentos coloridos.
Conforto pós operatório, pois o laser não gera calor, portanto a sensibilidade pós operatória é menor.

Quais as vantagens do clareamento a laser frente a outros procedimentos convencionais ?
Não é uma técnica invasiva,não ocorre desgaste dos dentes.

Existe algum risco à saúde no tratamento de clareamento a laser ?
Utilizando-se os produtos adequados ,não há risco à saúde.

A partir de que idade pode ser feito o clareamento a laser ?
Não existe uma idade específica.

Fonte: Clareamentoalaser.odo.br

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Higienização de Impantes Dentários



MANUTENÇÃO DOS IMPLANTES DENTÁRIOS
QUEM TEM IMPLANTES, PRECISA ESCOVAR OS DENTES ?



O fato de usar implantes não muda as exigências de higienização bucal. Ou melhor, muda sim. Usar implantes faz com que haja necessidade de duas vezes mais higienização: uma para não perder outros dentes e ter que colocar mais implantes (pagando por isto, sendo que os dentes lhe foram cortesia do Criador) e outra para manter em boas condições os implantes de forma a que eles não afrouxem e caiam.
Todo o segredo da manutenção, quer de dentes naturais, quer de dentes colocados sobre implantes, está na correta higienização de ambos. Por quê? Porque se não adequadamente limpos, os resíduos alimentares que ficam entre eles e embaixo dos bordos das gengivas, através da ação de bactérias que todos nós temos na boca, formam a placa bacteriana. Esta se não for removida em tempo certo (quatro vezes ao dia), gera o cálculo dental e infecções das gengivas, que são o início do comprometimento dos tecidos (ósseo e gengival) que circundam o implante, iniciando-se assim a perimplantite, que é o nome dado às inflamações (quase imperceptíveis) ao redor dos implantes.
O implantodontista irá apresentar um programa de higiene oral com todo detalhamento. Caso isso não seja feito, solicite. Se você não entender algo, pergunte, porque é muito importante e disto depende o sucesso do seu tratamento.



COM IMPLANTES TENHO QUE ESCOVAR TODOS OS DIAS ?

Todos os dias, quatro vezes ao dia: após o café da manha, após o almoço, após o jantar e antes de deitar. O hábito da escovação nestes quatro momentos do dia é a garantia de dentes e gengivas fortes e saudáveis.
Além do uso da escova dental, seu cirurgião-dentista lhe apresentará outros recursos de higiene oral que, de acordo com o caso, estarão indicados. Procure revelar a ele com exatidão e honestidade seus reais hábitos de higienização para que ele, com maiores conhecimentos, possa elaborar um adequado e programa de higiene oral.
A maioria de nós é um pouco resistente à higiene bucal. Temos que ser duros com nós mesmos. Temos de lembrar que cuidados pessoais, como o uso de papel higiênico, do desodorante, da escova de cabelos, além de fazer a barba, o uso do absorvente, dentre outros; são imprescindíveis.
Precisamos nos concientizar que, sem dentes, não conseguimos viver e nem aparecer entre amigos, pela vergonha de tê-los perdido. Temos de encarar a higiene oral como única forma de manter os dentes e tê-los em bom estado e aparência. Devemos submeter ao nosso cirurgão-dentista controle desta higienização, mensalmente no primeiro ano e semestralmente nos anos seguintes.



EXISTEM DISPOSITIVOS ESPECIAIS PARA HIGIENIZAÇÃO ?

Sim e são muitos, específicos para cada situação. Estes dispositivos têm por objetivo colaborar na limpeza das próteses sobre implantes em regiões ou áreas onde a escova tem difícil acesso. São eles: o fio ou fita dental, o superfloss (que é um tipo de fio dental específico), as escovas unitufo e interdentais (que são igualmente específicas) e alguns líquidos que deixarão sua boca mais agradável e sadia. Como coadjuvantes e auxiliares estão também os jatos d’água pulsantes e as escovas elétricas.
O fio e a fita dental atuam embaixo das gengivas, em áreas de difícil acesso para as escovas. O tipo superfloss, por ser mais volumoso em uma determinada parte é usado em casos específicos, indicados pelo cirurgião-dentista. As escovas unitufo e interdentais são destinadas aos espaços entre os dentes, que não são área onde há boa atuação das escovas convencionais. Recursos como os enxaguatórios bucais são complementos como também os jatos d’água pulsantes e escovas elétricas.
Cada caso terá sua própria indicação e orientação, porque cada paciente tem um grau de risco (que seu cirurgião-dentista irá determinar por seu histórico), que irá requerer uma higiene oral específica.



COM IMPLANTES VOU CONTINUAR A TER CÁRIES ?

Nos implantes e nos dentes da prótese colocada sobre os implantes, não. Mas o cuidado tem que continuar, inclusive para não perder os dentes vizinhos aos implantes.
Especificamente quanto aos implantes, esta (a não possibilidade de serem acometidos por caries) é uma de suas grandes vantagens. Isto por que a placa bacteriana e as cáries são as grandes responsáveis pela perda dos dentes. Não tendo uma delas, já diminuem muito os problemas.
Se o portador de implantes entender, por este motivo, que pode descuidar de sua higiene bucal, estará atuando contra si próprio, pois, pensando que a perdas dos remanescentes dentes naturais e conseqüente colocação de implantes resolverá o problema, estará se enganando. Ser relapso no cuidado com os dentes naturais implica obrigatoriamente na desatenção com a higiene das próteses sobre implantes.
O que as estatísticas de alto percentual de sucesso dos implantes garantem é a união deste como osso. Nenhuma estatística fala que implantes descuidados tem garantia. Pelo contrário, quando falam de insucessos após a osseointegração, a principal causa é sempre a má higienização. E com as conseqüências destas não há solução, nem a colocação de implantes no lugar de implantes perdidos, porque estes também não são garantidos.
Fonte: Odontex


Qualquer dúvida entrar em contato!!




Clínica Soma


(12) 36452227

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Grávidas e Odontologia


Saúde bucal em dia durante a gravidez, dentes e gengivas merecem atenção especial. Cuidar bem do sorriso é tão importante para você quanto para o bebê

Muita gente já deve ter ouvido a avó dizer que a cada filho que nasce, a mulher perde um dente. A antiga crença popular não tem fundamento científico, mas é verdade que algo de diferente ocorre na boca da gestante. Descubra o que acontece ali durante a gestação e tire suas dúvidas sobre como manter a saúde bucal em dia durante a gravidez.

1. Que mudanças ocorrem na boca da mulher que espera um bebê?

A grávida fica com o organismo mais vulnerável de uma maneira geral devido às alterações hormonais, e não é diferente em relação à saúde da boca. O aumento da produção de alguns hormônios pode facilitar inflamações da gengiva, principalmente quando a mulher já tem uma tendência a ter o problema. Sangramentos e infecções também costumam acometer a gengiva da gestante pela mesma razão. Quanto aos dentes, caso eles se tornarem mais fracos ou ficarem careados, provavelmente será porque a futura mamãe anda mais interessada no enxoval e na decoração do quartinho do que na higiene oral. “O mito de que a cada gestação se perde um dente não é real. No entanto, não é raro a gestante ficar focada apenas nas questões que dizem respeito à gravidez, preocupando-se menos com os cuidados diários da saúde bucal”, afirma o cirurgião-dentista Mário Groisman, do Rio de Janeiro.

2. Mas os dentes não ficam mais fracos porque o cálcio deles é usado na formação óssea do bebê?
Eis aqui mais uma grande fantasia popular. “No entanto, uma alimentação balanceada é necessária para manter o mineral em quantidades ideais para a gestante e o bebê”, orienta a ginecologista, obstetra e especialista em saúde da mulher Denise Coimbra, de São Paulo.

3. É verdade que problemas nas gengivas podem induzir o nascimento prematuro do bebê ou fazer com que ele nasça abaixo do peso?

Sim. Pesquisas médicas constataram que entre as mães com menos recursos financeiros e com a saúde bucal comprometida mais crianças nasciam nessas condições. “A inflamação que ocorre na gengiva estimula a liberação de citoquininas e prostaglandinas, substâncias que induzem o parto”, esclarece Mário Groisman. “Assim, sua liberação na corrente sangüínea acarreta microcontrações na parede uterina, podendo levar ao nascimento de um bebê de baixo peso.”

4. Existe algum tratamento odontológico específico para gestantes?

Não. Tecnicamente, o atendimento odontológico à grávida é muito semelhante ao realizado em qualquer outro paciente. “O ideal é fazer o acompanhamento dentário e os tratamentos necessários antes de tentar a gravidez, mas, se durante a gestação for necessário ir ao dentista, não há problema”, esclarece Denise Coimbra. Porém, é fundamental informar o dentista do seu estado atual, caso a barriguinha ainda não esteja evidente, para que ele possa tomar as devidas precauções.

5. Quais os principais cuidados com a boca que a gestante deve tomar?

“Zelo redobrado na escovação, no uso diário de fio dental e no bochecho com solução fluoretada”, responde Marcelo Schettini, cirurgião-dentista da Clínica Oral Design, no Rio de Janeiro. “É imprescindível se valer do fio dental para não facilitar o sangramento. O fio vai aonde a escova não entra e promove uma limpeza maior”, ensina Schettini. A atenção especial à higiene é importante para evitar a gengivite gravídica, como é chamada a inflamação típica dessa fase. Se houver necessidade de tratamento odontológico, o melhor é procurar um profissional o mais cedo possível para evitar complicações. Fique atenta a eventuais sangramentos, que são sinais de que há alguma anormalidade.

6. Grávida pode tomar anestesia?

A futura mamãe pode relaxar: ela não vai ser torturada a sangue frio. Existem anestesias especiais – e totalmente seguras! – para mulheres que esperam bebês. Diferentemente do tradicional, os anestésicos próprios para a situação não provocam o estreitamento dos vasos sangüíneos, o que poderia prejudicar a gestação. O dentista, é claro, precisa ser informado de que a mulher está grávida.

7. E a radiografia?

Não há problema nenhum em radiografar a boca, desde que a gestante utilize o avental de chumbo sobre a barriga.

8. Procedimentos como obturação e clareamento dentário podem ser realizados?

Sim, sem nenhum impedimento. Inclusive, todas as técnicas de clareamento dentário disponíveis podem ser empregadas.

9. Existe algum creme dental que não provoque enjôos?

Infelizmente, a indústria especializada ainda não inventou nada tão eficiente assim. O melhor a fazer é optar pela pastas de dente com sabores mais suaves.

10. A grávida que usa aparelho ortodôntico precisa ter algum cuidado especial com a boca?

Os aparelhos para corrigir a posição dos dentes facilitam o acúmulo de resíduos de comida, o que favorece o surgimento de bactérias que causam cáries e doenças da gengiva. “Por isso, qualquer paciente em tratamento ortodôntico, não só a gestante, necessita de maior acompanhamento por parte do dentista”, diz Groisman. E quem usa aparelho dentário deve dedicar especial atenção à higiene bucal.

Suzana Dias ( www.bebe.com.br)

sábado, 8 de maio de 2010

Mini - Implantes

video

Mini-implantes ortodônticos

Na história da Ortodontia podemos pinçar alguns fatos que mudaram a maneira como os Ortodontistas trabalham. A introdução das radiografias, a colagem dos brackets, a utilização das ligas super-elásticas e o advento das peças estéticas são apenas alguns. Mais recentemente podemos concentrar nossa atenção em três novidades: Invisalign, mini-implantes e tomografia computadorizada. Não há congresso ou curso onde esses temas não sejam amplamente debatidos.

Na Ortodontia, o movimento do dente acontece em razão da aplicação de força. Quando uma força é aplicada a um dente, este se move. Ocorre que, de acordo com a terceira Lei de Newton, para toda ação, existe uma reação, ou seja, se aplicamos 100g de força a um dente utilizando outro como apoio, este outro também sofrerá a ação de 100g de força.

Durante um tratamento ortodôntico realizamos centenas de pequenos movimentos. Um ortodontista capacitado e conhecedor dos princípios de física mecânica, saberá controlar os movimentos desejados e indesejados utilizando um princípio ortodôntico conhecido como ancoragem, que consiste basicamente em utilizar um grupo de dentes como apoio para movimentar um dente ou um menor grupo de dentes, fazendo com que as reações às aplicações de força sejam minimizadas.
Até recentemente existiam poucas alternativas para apoio que não fosse os próprios dentes. Uma delas é o aparelho extra-oral, conhecido como “freio de burro”. Nem sempre o paciente aceita esta alternativa.

Os mini-implantes aparecem então como uma excelente alternativa temporária de ancoragem / apoio. Esses são rosqueados sem qualquer incomodo na maxila ou mandíbula do paciente e podem ser utilizados como apoio, facilitando e agilizando o trabalho do ortodontista. Por serem temporários, não se integram aos ossos, como é o caso dos implantes dentários, e podem ser substituídos ou removidos a qualquer momento sem nenhum desconforto.

Apesar de serem transitórios e absolutamente confortáveis, percebo ao conversar com meus pacientes e outros colegas dentistas que a maioria das pessoas não aceita muito bem a idéia de instalá-los. Isto deve ocorrer provavelmente por uma questão semântica, uma vez que a palavra mini-implante é associada pelos leigos ao implante dentário convencional que é extremamente mais complexo.

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Tratamento Ortodôntico em Adultos


Tratamento Ortodôntico em Adultos

Por que tantos pacientes adultos têm procurado tratamento ortodôntico ultimamente?

Nos últimos 20 anos, o número de pacientes adultos em tratamento ortodôntico cresceu de forma exponencial. Hoje, de cada 5 pacientes em tratamento, 1 é adulto. Um estudo realizado pelo Instituto Americano de Pesquisa Craniofacial e Dentária revelou que a quantidade de indivíduos desdentados na faixa etária de 55 a 64 anos diminuiu 60% desde 1960. Com a presença dos dentes naturais na maturidade, os adultos têm se submetido ao tratamento ortodôntico para ajudá-los a manter uma boa saúde bucal e melhorar sua estética facial e do sorriso.

Quais razões justificam o tratamento ortodôntico em adultos?

A aparência facial e dentária é importante não somente pela atratividade que expressa, mas também na elaboração do próprio conceito pessoal. Um sorriso agradável e uma face harmoniosa têm impacto na convivência social e na aceitação do indivíduo pelos seus pares. Algumas más-oclusões, como grandes apinhamentos e discrepâncias no relacionamento maxilo-mandibular, podem afetar negativamente a auto-imagem dos indivíduos. Com o tratamento ortodôntico, a auto-estima pode melhorar de forma significativa. Além dos benefícios psicológicos, a correção da má-oclusão melhora a qualidade do tratamento periodontal e restaurador (Figuras 1 e 2). Por exemplo, na presença de grandes apinhamentos dentários, a remoção da placa dental é mais difícil e a sua retenção pode causar descalcificação do esmalte, cavidades de cárie, ou mesmo tártaro, que causa doença periodontal. Com os dentes alinhados, a melhora na limpeza e na remoção da placa aumenta a probabilidade de os dentes permanecerem na cavidade bucal por mais tempo. Além disso, dentes mal posicionados freqüentemente estão submetidos a traumas de oclusão que são prejudiciais ao peridonto, podendo causar desde desgastes de esmalte até mobilidade dentária.

Existe limite de idade para iniciar o tratamento ortodôntico?

A idade não deve ser um fator limitante do tratamento ortodôntico, pois os dentes podem ser movimentados em todas as idades. Entretanto, a abordagem deve ser diferenciada e direcionada, não por motivos mecânicos, mas sim por motivos biológicos, sociais e psicológicos. E esses aspectos, tão importantes para nortear o tratamento ortodôntico, são definidos e estabelecidos no momento do diagnóstico.

Quais as opções de aparelhos ortodônticos disponíveis atualmente?

Hoje em dia, os braquetes, peças coladas aos dentes para o tratamento ortodôntico, são menores e menos notáveis. Além disso, há opções estéticas, como os braquetes de cerâmica e policarbonato, que são transparentes e, portanto, mais estéticos. Em casos específicos, as placas transparentes ou alinhadores confeccionados em laboratório podem ser uma opção, embora sejam removíveis e necessitem de trocas constantes. Na preferência pela estética absoluta, ainda temos o aparelho ortodôntico invisível, com a técnica lingual, em que os braquetes são posicionados na face lingual dos dentes, por dentro, permitindo que não sejam notados durante todo o tratamento ortodôntico. Assim, o resultado da movimentação dentária e o sorriso podem ser avaliados o tempo todo, sem interferência do aparelho.

Existe diferença entre tratar um paciente jovem e um adulto?

Biologicamente, pacientes adultos não apresentam crescimento ósseo e as respostas regenerativas não se comparam às de um jovem, devido à menor vitalidade periodontal. Sugere-se, pois, que o tratamento seja simplificado, ou seja, que se limite a tratar somente o que está potencialmente destrutivo para a oclusão e para a estética. Essa abordagem faz do tratamento ortodôntico de adultos um tratamento conservador em relação ao do adolescente, menos abrangente e mais localizado. Isso contempla também o fato de que pacientes adultos não toleram tratamentos prolongados.

O que muda no conceito do tratamento ortodôntico?

Os pacientes podem se surpreender – e ter uma agradável surpresa – ao descobrir como os aparelhos ortodônticos estão mais confortáveis hoje em dia. Um sorriso bonito e saudável é tão importante aos 60 anos como aos 16. E os ortodontistas são os especialistas da Odontologia treinados e com experiência para auxiliar os pacientes a obter o alinhamento apropriado de dentes e maxilares, independentemente da idade, proporcionando estética e saúde dental.
( fonte www.apcd.org.br)

terça-feira, 4 de maio de 2010





A saúde geral e bucal da mulher

Há uma relação entre minha saúde bucal e minha saúde geral?

No caso das mulheres, um número cada vez maior de estudos relaciona as enfermidades gengivais com uma variedade de problemas que afetam a saúde da mulher. Como a gengivite é uma infecção causada por bactérias, estas podem entrar na corrente sangüínea e tornar-se causa de outras complicações:

Problemas Cardíacos: Indivíduos com gengivite correm um risco maior de ter problemas cardíacos, com o dobro de possibilidade de sofrerem ataques fatais.

Derrame: Um estudo revelou a existência de uma relação causal entre infecções bucais e risco de derrame ou também conhecido como acidente vascular cerebral (AVC).(1)

Diabetes: Os diabéticos são mais propensos a terem gengivite e nestes indivíduos é mais difícil controlar o açúcar no sangue. A gengivite pode ser um fator de risco para o diabético, mesmo em indivíduos com açúcar controlado.(2)

Problemas respiratórios: Bactérias que se desenvolvem na cavidade bucal podem chegar até os pulmões e causar doenças das vias respiratórias, tal como a pneumonia, especialmente em pessoas que têm gengivite.(3)

Resultados da gestação: As gestantes com gengivite podem estar mais propensas a partos prematuros ou terem bebês de menor peso ao nascer. A gengivite também pode aumentar o nível dos líquidos biológicos que estimulam o parto.(3)

Como a gengivite em geral não dói, muitas mulheres só notam que têm o problema quando este já está em estado avançado. A melhor defesa é a cuidadosa higiene bucal diária com uma boa escovação e o uso de fio dental, e as consultas regulares com seu dentista.

Os requisitos relacionados à saúde bucal mudam com o passar do tempo?

A mulher tem necessidades especiais relacionadas à saúde bucal nas diversas fases da vida. As mudanças nos níveis de hormônio que ocorrem na puberdade, seguidas da menstruação, gravidez e menopausa tornam as gengivas mais sensíveis à placa bacteriana. Nessas etapas da vida, as mulheres não podem esquecer de escovar e usar fio dental todos os dias, para evitar a gengivite.

Outras informações importantes:

Menstruação ? Algumas mulheres notam que sua gengiva incha e sangra antes da menstruação. Outras têm aftas ou inflamações da mucosa bucal. Estes sintomas geralmente desaparecem no início da menstruação.

Contraceptivos orais ? A inflamação da gengiva é um dos efeitos colaterais mais comuns dos contraceptivos orais.

Gravidez ? Estudos mostram que muitas mulheres grávidas têm gengivite quando a placa bacteriana se forma sobre os dentes e irrita a gengiva. Os sintomas são gengivas avermelhadas, inflamadas e com sangramento. O cuidado pré-natal é sempre extremamente importante.

Menopausa ? Os sintomas bucais experimentados durante este estágio na vida de uma mulher são gengiva avermelhada ou inflamada, desconforto, sensação de ardência, sensação de alteração do paladar e boca seca.

Osteoporose ? Várias pesquisas sugerem a existência de uma relação entre a osteoporose e a perda óssea nos maxilares. Os pesquisadores sugerem que isto pode levar à perda de dentes por causa da provável diminuição da densidade dos ossos onde os dentes estão inseridos. Juntamente com a osteoporose, a doença periodontal acelera o processo de perda de estrutura óssea ao redor dos dentes.

(1) The American Academy of Periodontology [Academia Americana de Periodontologia], 5 de junho de 2000. (2) The American Academy of Periodotonlogy [Academia Americana de Periodontología], 17 de janeiro de 2001. (3) The American Academy of Periodontology [Academia Americana de Periodontología], 15 de maio de 2000.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Como usar o fio dental !!!


video


Este vídeo é para ajudar no uso do fio dental, não tenho nenhuma intenção de divulgar marcas comerciais e sim a técnica utilizada.


Abraços


Dr. Rodolfo Vieira


SOMA ODONTO